segunda-feira, 3 de maio de 2010

aquela que se iludia demais

E faz mais um dia que ela ouve tudo e tenta não se abater, mas as palavras misturadas com risinhos vindos lá de trás são como espinhos, que vão furando lentamente, e seu instinto se tornando cada vez mais aguçado. É, para quem não sabia, intuição dói, e muito para ela.
Todo dia ela diz que cansou de se importar com ele, de se importar com elas, mas todo dia, antes de dormir, ela alimenta as esperanças em demasia.
Cuidado, um dia as esperanças ficam acima do peso, e subitamente, infartam.

2 comentários:

  1. não sei se ficou boa, é a primeira crônica que escrevo na minha vida, foi uma súbita inspiração que veio na aula de física e eu começei a escrever loucamente, rs

    ResponderExcluir